Uma forma simples de superar a procrastinação

Uma forma simples de superar a procrastinação

por Juliana Emer

 

Cada pessoa tem uma maneira de vivenciar a procrastinação; alguns arrumam desculpas variadas para empurrar atividades para outros dias; outros acabam gastando seu tempo com atividades mais tranquilas, deixando para trás aquilo que traria mais resultados.

Não importa qual a sua maneira de vivenciar a procrastinação, o que você precisa compreender aqui é que nosso cérebro não ajuda a nos concentrarmos em atividades presentes apenas com uma promessa de benefício mais adiante. Os cientistas comportamentais chamam isso de viés do presente.

Viés do presente: a característica do nosso cérebro de se concentrar em atividades concretas e problemas imediatos, em detrimento de atividades que terão um resultado no futuro.

Mas o que isso quer dizer? Quer dizer que seu corpo vai ajudar você a resolver aquelas questões urgentes, que estão pipocando em sua frente, ou que prometem um resultado imediato. Por exemplo, é mais fácil eu me concentrar em finalizar um relatório que tenho que apresentar na reunião de amanhã, do que me comprometer em fazer atividades físicas, já que essas terão seu benefício sentido apenas após um tempo de execução (talvez dias ou semanas).

Dito isso, você deve estar se perguntando… se o cérebro não ajuda, como faço isso?

Selecionei TRÊS GRANDES DICAS  – que já testei – baseadas em teorias distintas sobre procrastinação, mas que juntas são a fórmula perfeita para você abandonar esse hábito.

Procrastinação_1

Como faço isso?

Você precisa visualizar a realização dessa tarefa, precisa mostrar para seu cérebro como será ótimo quando a atividade for concluída. Chamamos isso de “mentalização”. Pare um minuto agora, sente em uma posição confortável, feche seus olhos e se imagine concluindo aquela atividade que anda procrastinando. Imagine o resultado dessa tarefa, e o quão bom é a sensação de ter conseguido.

Se você anda querendo escrever um livro, pense em você no dia dos autógrafos, com as pessoas te parabenizando. Se está querendo emagrecer, pense em você entrando naquela roupa que está guardada há 5 anos, qual a satisfação de se sentir bem com o seu corpo? Pense nisso.

 

Procrastinação_2

Como faço isso?

Muitas vezes evitamos aquela tarefa, pois ela nos parece complicada demais ou muito sofrida. No exemplo que dei acima, escrever um livro parece algo complicado e demorado demais. Por isso, é importante quebrar essa grande atividade em tarefas menores. No exemplo do livro, seria: escrever um artigo de 5 páginas sobre o assunto; ou pesquisar sobre determinada teoria. Enfim, algo que pareça ser muito menor que o resultado final.

Outra dica que entra aqui é começar essa grande tarefa por algo realmente muito simples. Poderia ser algo assim: escrever um e-mail para a Gabriele pedindo informações de como ela escreveu o seu livro. Essa tarefa com certeza será fácil de cumprir e seu cérebro verá um benefício imediato nela.

Na parte da recompensa é importante associar algo difícil e complicado a algo prazeroso, pois isso vai fazer com que o esforço pareça menor. Exemplo: posso me dar o prazer de escrever esse livro em um café que adoro, comendo um pedaço de torta de chocolate. Ou posso olhar um episódio do meu seriado favorito, depois de ter respondido 5 e-mails pendentes. Não importa se a recompensa é durante ou depois, o importante é que ela exista.

 

Procrastinação_3

Como faço isso?

Para entender essa teoria vamos voltar um passo para definir o que é um procrastinador.

“Procrastinador é a pessoa que faz muitas coisas quando deveria estar fazendo outras.”

Em algum lugar, na sua mente ou na agenda, você deve ter uma lista de tarefas, provavelmente ordenada por importância. Nela há um ou dois itens que você considera MUITO importantes e outras atividades que também lhe trarão resultados.

Nessa teoria, John Perry entende que essas outras tarefas são uma maneira de você NÃO REALIZAR as tarefas superimportantes, que estão no top 1 ou 2. E a ideia é justamente essa: você ter atividades supostamente muito importantes, que vão te ajudar a realizar aquelas tarefas que você realmente precisa e que vão fazer a diferença.

E se você estiver se perguntando quando essas tarefas do top 1 ou 2 serão feitas, a resposta é: quando forem extremamente urgentes ou, talvez, nunca. O segredo dessa técnica, criada por John é colocar as atividades certas no topo da lista, observando duas questões:

Primeiro: elas devem parecer ter prazos claros (que não são de fato);

Segundo: devem parecer muito importantes (mas realmente não são tão importantes assim);

Vamos a minha lista – o TOP 1 é: escrever um e-book sobre metas antes do curso em abril. Ela parece ter um prazo definido e parece ser muito importante para mim, mas de fato não é. Enquanto não escrevo o e-book, escrevo 4, 5 textos diversos que estão na lista menos prioritária, o que na prática é muito melhor.

   – – –

Todas essas dicas são simples e foram bem testadas! Então.. que tal começar hoje mesmo a colocar em prática?

Depois volte aqui e deixe sua avaliação nos comentários 🙂

 

_________________________________________________________________________________

Ju

Juliana Emer | Coach Especialista em Timidez e Escolhas Positivas – é fundadora do programa Revolução do Quietos, projeto exclusivo para introvertidos e tímidos trabalharem o seu potencial. É graduada em Administração, com especialização em Coaching pelo IBC (BH) e Psicologia Positiva pelo método Harvard. Também é colunista do projeto Entre Elas que apoia o empreendedorismo feminino, e consultora na Grimper RH.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *